Elba Ramalho traz clássicos do forró em gravação de DVD

Assim como a cerveja Brahma, a cantora trouxe ao palco o que realmente importa nesta véspera junina

Uma verdadeira coletânea em homenagem ao Rei do Baião, Luiz Gonzaga, e aos grandes sanfoneiros Dominguinhos e Flávio José. Foi assim o show da paraibana Elba Ramalho nesta véspera de São João. Comemorando 40 anos de carreira, a cantora trouxe para o Parque do Povo, em Campina Grande, um repertório para nenhum forrozeiro botar defeito.

Elba subiu ao palco entoado a música “Paraíba, meu amor”, em homenagem ao seu estado de origem. Em seguida, por volta de meia-noite, emendou com “Olha para o céu”, composição de Luiz Gonzaga. Junto a isso, teve queima de fogos, que durou cerca de seis minutos, uma tradição da festa campinense.

Ao fim da canção, a cantora saudou o público e se emocionou. “É uma alegria e satisfação estar nesse palco”, disse, enquanto a plateia fazia um coro: “Elba, rainha”. Com os olhos cheios de lágrimas, a paraibana respondeu: “Vou me controlar para não chorar, pois já chorei muito hoje”, emendando com clássicos dos compositores pernambucanos Accioly Neto e Flávio Leandro, como “Me diz amor” e “Mala e Cuia”, músicas que viraram sucesso na voz do paraibano, Flávio José.

Os clássicos “Você endoideceu meu coração”, “Forró Pesado” e é “Proibido Cochilar” deram seguimentos ao grande arrasta-pé. A cantora, que é veterana das festas juninas na cidade, não titubeou e mostrou como se faz o puro São João. E isso Elba tem em comum com a Brahma, patrocinadora oficial do São João de Campina Grande. Com 131 anos de história e tradição, a cerveja busca enaltecer a cultura local e o que realmente importa nas festas juninas.  

“Eu estava com chikungunya, pensei que ia morrer, mas hoje estou aqui para gravar este DVD mesmo sem estar totalmente recuperada.  Pois tenho a maior alegria em apresentar essa festa linda para todo o mundo”, disse Elba.

Logo em seguida, a cantora convidou a amiga Zélia Duncan a subir ao palco. As duas cantaram juntas outro clássico de Luiz Gonzaga: “Vem Morena”. A segunda convidada da noite foi a filha do músico Dominguinhos, Liv Moraes. Quando as duas começaram com “Eu só quero um Xodó”, o público que estava no Parque fez coro.

Outro ponto alto do show para os campinenses foi a participação da cantora Agnes Nunes, natural da cidade. Com seus 17 anos, a garota fez o público chorar ao cantar “Chão de Giz” com Elba Ramalho. “Conheci Agnes por causa das minhas filhas. Ela ainda vai cantar em muitos palcos desse Brasil”, comentou Elba durante a apresentação.

O show também contou com o reggae de Toni Garrido e o pop de Rogério Flausino. Além de clássicos de suas carreiras, os dois cantaram juntos muito forró com Elba Ramalho. 

Para fechar a noite, a paraibana não deixou ninguém parado ao trazer o frevo “Banho de Cheiro”, outra marca registrada de sua carreira.

Juntos há 66 anos, casal campinense celebra união no Parque do Povo

Idosos dão a ‘receita’ do que realmente importa no relacionamento: “tolerância e dançar muito forró”

Quem passava pela Palhoça da Brahma no Parque do Povo, na noite dessa sexta-feira (21), parava para ver um casal de idosos. Os aposentados Wilson Souza e Cornélia Cunha, que têm 86 e 83 anos respectivamente, chamavam atenção por dançar um forró bem agarradinho.

A dupla é de Campina Grande e não parou um minuto de curtir o arrasta-pé. “A receita da vitalidade e de manter a chama do amor acessa é dançar muito forró. Ele cura”, ensinou Wilson Souza.

Os dois estão casados há 66 anos e aproveitaram a festa para celebrar a união mais uma vez. “Viemos desde o primeiro ano. Já é tradição no nosso relacionamento aproveitar o São João no Parque do Povo”, contou Cornélia Cunha.

O amor dos dois estava nítido. “Ela é minha vida”, dizia Souza. Aos casais mais jovens, eles deram a dica do que realmente importa em uma relação. “Além de não parar de dançar agarradinho, tem que ter muita tolerância. Que tudo dá certo”, sentenciaram.

Estreante no São João de Campina Grande, a Brahma, cerveja oficial da festa, tem apoiado e valorizado quem realmente importa neste São João: histórias de campinenses e turistas que brindam a vida com alegria e vigor, fazendo do São João essa festa tão importante para os nordestinos.