Jucurutu: Vigilância Sanitária faz ação Educativa na fila da biometria

A vigilância Sanitária, aproveita a fila da biometria nesta quarta-feira 25, para fazer Ação Educativa para população sobre o Consumo e Transporte de Água Potável. Lembrando que em Jucurutu já tem distribuidores na cidade se adequando ao transporte da água por meio de caixas azuis. 

Foto: A Fiscal Sanitário da VISA Daguia e a Enfermeira Camila.


#SaúdePúblicaIndoOndeAPopulaçãoEstá

Projeto Diniz Social beneficiará crianças atendidas pela LBV com consultas e doação de óculos

Problemas de visão podem prejudicar o rendimento escolar, desmotivar as crianças a prosseguirem seus estudos, além de outros fatores relacionados a saúde ocular. Pensando nisso, a Rede Ótica Diniz, em Natal, beneficiará meninos e meninas atendidos pelo programa Criança: Futuro no Presente!, da Legião da Boa Vontade, com consultas oftalmológicas e doação de óculos.

A iniciativa faz parte do projeto Diniz Social e levou os profissionais da ótica para o Centro Comunitário de Assistência Social da LBV para realizar triagem com as crianças e consultas gratuitas. O momento mais esperado pelos atendidos, a entrega dos óculos, acontecerá neste sábado, 28, em uma solenidade na Escola Municipal Monsenhor Joaquim Honório.

O evento terá início às 9h e contará com a participação de grupos culturais formados pelos atendidos na Entidade. Estarão presentes os representantes e diretoria das Óticas Diniz na capital potiguar, além de convidados e parceiros desta iniciativa solidária.

SERVIÇO:

Doação de óculos para as crianças da LBV | Projeto Diniz Social

Dia: 28 de outubro (sábado)

Horário: 9h

Local: Escola Municipal Monsenhor Joaquim Honório

Endereço: Rua Presidente Mascarenhas, 768 – Alecrim

Informações: (84) 3613-1655.


RN:Projeto Diniz Social beneficiará crianças atendidas pela LBV com consultas e doação de óculos


Problemas de visão podem prejudicar o rendimento escolar, desmotivar as criança a prosseguirem seus estudos, além de outros fatores relacionados a saúde ocular. Pensando nisso, a Rede Ótica Diniz, em Natal, beneficiará meninos e meninas atendidos pelo programa Criança: Futuro no Presente!, da Legião da Boa Vontade, com consultas oftalmológicas e doação de óculos.

A iniciativa faz parte do projeto Diniz Social e levou os profissionais da ótica para o Centro Comunitário de Assistência Social da LBV para realizar triagem com as crianças e consultas gratuitas. O momento mais esperado pelos atendidos, a entrega dos óculos, acontecerá neste sábado, 28, em uma solenidade na Escola Municipal Monsenhor Joaquim Honório.

O evento terá início às 9h e contará com a participação de grupos culturais formados pelos atendidos na Entidade. Estarão presentes os representantes e diretoria das Óticas Diniz na capital potiguar, além de convidados e parceiros desta iniciativa solidária.



SERVIÇO:

Doação de óculos para as crianças da LBV | Projeto Diniz Social

Dia: 28 de outubro (sábado)

Horário: 9h

Local: Escola Municipal Monsenhor Joaquim Honório

Endereço: Rua Presidente Mascarenhas, 768 – Alecrim

Informações: (84) 3613-1655.

Ezequiel solicita providências para crise hídrica no Estado

O deputado e presidente da Assembleia Legislativa, Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB), durante pronunciamento do deputado Vivaldo Costa (PROS) sobre a crise hídrica no Estado, nesta quinta-feira (26), lembrou que a seca sempre foi um dos temas discutidos com frequência pelo Legislativo Estadual e ressaltou o sofrimento da população das regiões mais secas, causados pela “ineficiência do poder público” para resolver os problemas que a natureza não consegue solucionar, já que as chuvas que caíram foram tímidas e insuficientes para reabastecer os mananciais do Estado.

 “Construíram uma adutora de engate rápido que de rápido não teve nada pois durou mais de quatro anos”, reclamou o presidente, ressaltando que quando a adutora foi concluída e foi testada, “teve vazamento para todos os lados”. De acordo com Ezequiel, “por incompetência da empresa que terminou por trazer prejuízos para a população de Currais Novos”, disse se referindo à adutora construída para abastecer os municípios de Currais Novos e Acari.

 “Se existe uma frustração; é você ver a população sofrendo pela falta d´água em pleno 2017. Já não basta o povo estar sendo castigado pela falta de empregos”, criticou o parlamentar que também preside o Comitê de Combate à Seca na Assembleia Legislativa e que concluiu o aparte chamando atenção para o DNOCS prestar esclarecimentos para as obras executadas com recursos do governo federal.

Operação Alcmeon: ex-desembargador é denunciado por corrupção, lavagem de dinheiro e exploração de prestígio

Francisco Barros é acusado ainda de associação criminosa e falsidade documental. Outras 12 pessoas também foram denunciadas

O Ministério Público Federal (MPF) ofereceu à Justiça duas denúncias (ver link abaixo) contra o ex-desembargador federal Francisco Barros Dias e outras 12 pessoas, por prática de corrupção, lavagem de dinheiro, falsidade documental e exploração de prestígio. A primeira, que tramita na 2ª Vara da Justiça Federal no RN, narra um esquema de compra e venda de decisões judiciais por Francisco Barros em 2012, quando ainda atuava no Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5).

Já a segunda denúncia, que tramita na 14ª Vara, descreve a exploração de prestígio do ex-desembargador após a aposentadoria, quando passou a advogar ilegalmente junto à mesma corte. De acordo com o MPF, Francisco Barros, mediante utilização de terceiros, recebeu altos valores a pretexto de influenciar no voto de ex-colegas de magistratura.

As denúncias são decorrentes da Operação Alcmeon deflagrada no último dia 30 de agosto. Na ocasião, Francisco Barros foi preso preventivamente, mas obteve a liberdade, através de dois habeas corpus analisados pelo TRF5.

Perante a 2ª Vara da Justiça Federal, o ex-desembargador responde por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Além de Francisco Barros, são réus os advogados Francisco Welithon da Silva, Flávio Claudevan de Gouveia e Ademar Rigueira Neto, bem como Eugênio Pacelli Remigio de Araújo, ex-assessor do desembargador federal Paulo de Tasso Gadelha.

Já na 14ª Vara, o ex-desembargador é acusado de associação criminosa, exploração de prestígio, falsidade documental e lavagem de dinheiro. Nesse processo há acusações ainda contra a esposa do ex-desembargador, Noara Renea Vieira de Alencar Barros Dias; os advogados Ivis Giorgio Tavares Barros Dias, José Luiz Carlos de Lima, Anderson Gurgel Dantas e Marcos Lacerda Almeida Filho; o bacharel em Direito Gleydson Firmino da Silva; o empresário Edvaldo Fagundes de Albuquerque; e o ex-prefeito de Upanema Jorge Luiz Costa.

Prestígio – A segunda denúncia revela que o ex-desembargador desrespeitou a “quarentena” constitucional, pela qual só poderia advogar junto ao TRF5 após um prazo mínimo de três anos da sua aposentadoria, ocorrida em 2015. No entanto, desde aquele ano e até 2017 ele e outros advogados, bem como sua esposa, teriam recebido valores significativos sob a promessa de influenciarem no voto dos desembargadores daquela corte, para o julgamento de diferentes ações. O MPF deixa claro, porém, que em nenhum dos casos há evidências de envolvimento de magistrados.

Do empresário Edvaldo Fagundes, proprietário do Grupo Líder e principal alvo da Operação Salt, o ex-desembargador recebeu pelo menos R$ 515.735,43, através da Latosensu Escola Jurídica e de sua esposa. Em associação com alguns dos demais acusados, Francisco Barros também solicitou R$ 350 mil a Acácio Allan Fernandes, envolvido na Operação Pecado Capital. Francisco Barros Dias havia atuado como magistrado, no TRF5, em ambas as operações.

Recebeu também R$ 135 mil de Francisco Gilson de Oliveira, ex-Prefeito de Baraúna, além de R$ 120 mil de Maria José de Oliveira, ex-prefeita de Viçosa, e de Josifran Lins de Medeiros, ex-prefeito de São Vicente. O ex-prefeito de Upanema Jorge Luiz Costa pagou aproximadamente R$ 281 mil pelos “serviços” junto ao TRF5 e, de Antônio Gomes, prefeito de Viçosa, vieram pelo menos outros R$ 10 mil.

Vazamento – A denúncia que trata dos casos ocorridos em 2012 já foi recebida pela Justiça, e os acusados passaram à condição de réus. Ela aponta que Francisco Barros e Paulo de Tasso Gadelha (já falecido) atuavam na Segunda Turma do TRF5 e votaram a favor do habeas corpus que liberou da prisão Rychardson de Macedo Bernardo, bem como devolveram a ele o controle sobre seus bens e empresas, em troca de propina intermediada por três advogados. Rychardson foi alvo da Operação Pecado Capital, realizada em 2011, que apurou um esquema de desvio no Ipem/RN.

O MPF ressalta, porém, que houve vazamento dessas investigações, quando ainda se encontravam nos procedimentos iniciais. Ademar Rigueira Neto foi o primeiro beneficiado e teve conhecimento dos pedidos de afastamento de sigilo pouco tempo após serem protocolados. A denúncia indica que os meios ilícitos pelo qual o investigado foi avisado ainda estão sendo apurados.

Além do advogado, o ex-desembargador Francisco Barros mantinha, em seu escritório, uma cópia dos pedidos de quebra de sigilo feitos pelo MPF, material que se encontrava sob sigilo judicial. A cópia foi apreendida pela Polícia Federal no último dia 30 de agosto, durante a Operação Alcmeon, dentro de um envelope da OAB/RN.

MPF

Abrint prevê que Brasil reduzirá crescimento da banda larga

Nos últimos anos, os provedores regionais investiram no crescimento da rede de banda larga no Brasil resultando em uma média crescente de 4,79%. Contudo esse percentual é baixo e, mesmo assim, ele ainda pode piorar devido ao congelamento do projeto do Fundo Garantidor. 
O vice-presidente do Conselho da Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint), Erich Rodrigues, explicou que o crescimento poderia ter sido maior se os governos federais tivessem investido no Fundo Garantidor, proposta apresentada desde 2014 e que, até hoje, nunca avançou. Para tratar do assunto a Abrint vai se reunir com ministro Gilberto Kassab (Telecomunicações) e com o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Paulo Rabello de Castro.

“A Abrint já identificou esse gargalo há muito tempo e em janeiro de 2014 nós apresentamos um estudo para a criação de um fundo garantidor, caminho para acelerar esses investimentos. Passadas as eleições, a crise política e os diversos ministros que assumiram as telecomunicações, o fundo garantidor ainda não teve uma evolução efetiva”, explicou.
O objetivo é permitir a captação de recursos financeiros para investimentos em fibra para garantir a banda larga para mais pessoas, já que o foco seriam as regiões geograficamente afastadas. Porém, o fundo nunca foi abastecido, mesmo com a sugestão de utilizar parte dos recursos de R$ 4,8 bilhões oriundos do Termo de Ajuste da Telefônica e com a promessa de investimentos na ordem de R$ 50 milhões no setor até dezembro.

Essa reserva financeira é considerada importante pela Abrint porque os provedores regionais, responsáveis por levar internet de qualidade para municípios distantes dos grandes centros, enfrentam várias dificuldades no momento de obter empréstimos bancários por conta das garantias financeiras. Dificultando a expansão da rede pelo Brasil e, assim, ameaçando o crescimento. E esse recurso facilitaria investimentos.

“O Fundo não é um dinheiro que vai ser dado para os provedores. É um dinheiro que fica com a União e que apenas vai garantir os investimentos em infraestrutura de rede para a banda larga”, detalhou.

MPF e PF deflagram Operação Lavat, desdobramento da Operação Manus

Alvos são assessores e familiares do ex-presidente da Câmara dos Deputados Henrique Alves

Foto: Divulgação

O Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal deflagraram na manhã desta quinta-feira (26) a Operação Lavat, um desdobramento da Operação Manus, cumprindo 27 mandados de busca e apreensão, três de prisão temporária e dois de condução coercitiva. As medidas foram determinadas pela 14ª Vara da Justiça Federal no Rio Grande do Norte e têm como alvo assessores e familiares do ex-presidente da Câmara dos Deputados Henrique Eduardo Alves, que se encontra preso desde o dia 6 de junho.

As investigações desenvolvidas pelo Ministério Público Federal e a Polícia Federal, após a deflagração da Operação Manus, em junho deste ano, revelaram que assessores e familiares de Henrique Alves, no Rio Grande do Norte e no Distrito Federal, ajudavam e continuam a ajudar o ex-parlamentar na ocultação e dissimulação de valores provenientes do crime de corrupção passiva.

Os elementos obtidos com o monitoramento telefônico, conjugados com os dados reunidos em diligências de busca e apreensão na Operação Manus, conduziram à constatação da efetiva existência de indícios da prática dos crimes de lavagem de dinheiro e organização criminosa, por parte desses auxiliares. Além disso, há sinais do cometimento dos delitos de falsidade ideológica de documento particular e de fraude à licitação.

Os mandados são cumpridos em Natal, Parnamirim (RN), Nísia Floresta (RN), São José de Mipibu (RN), Angicos (RN) e em Brasília (DF), nos endereços pessoais, funcionais e empresariais dos envolvidos.

RN:Financiamento para Ciência e Tecnologiaé discutido na Comissão de Educação 

Na data em que se comemora o Dia da Ciência, a Comissão de Educação, Ciência e Tecnologia, Desenvolvimento Econômico e Social, recebeu em sua reunião desta quarta-feira (25) representantes do setor de pesquisa científica da Universidade Federal (UFRN), da Universidade Estadual (UERN) e do Governo do Estado para discutir a necessidade de recursos para o financiamento da atividade no Rio Grande do Norte.

A reitora da Universidade Federal, professora Ângela Paiva disse, na sua participação no debate, que este ano está sendo uma calamidade em termos de recursos e que o prejuízo que isso está causando trará grandes problemas para o País.

“Os pesquisadores estão deixando o Brasil porque a Ciência está sendo tratada como um gasto e não como investimento como deveria ser. Nós viemos aqui para defender um orçamento para a Fundação Estadual de Pesquisa para o exercício de 2018 que dê condições de trabalho dos pesquisadores na área de Ciência e Tecnologia“, afirmou a reitora.

A vice-reitora da UERN, Fátima Raquel também reclamou das dificuldades financeiras. “Precisamos evitar a perda de grandes cientistas que estão indo para outros países por causa da falta de incentivos”, disse a professora.

Na mesma linha de pensamento, o presidente da Fundação de Apoio à Pesquisa no RN, professor Uilame Umbelino disse que o sistema não pode ser quebrado para não prejudicar a juventude. “È preciso investimento. O Rio Grande do Norte tem pesquisadores de alto nível, reconhecidos no mundo inteiro”, afirmou.

Durante o debate, o professor Wilson Acchar, coordenador do Mestrado e Doutorado em Ciência e Engenharia dos Materiais na UFRN disse que o curso recebeu conceito sete da CAPES. “Esse é um conceito é concedido a programas de excelência. Temos pesquisadores desse nível que estão saindo do País”, afirmou o professor Wilson.
Ao final o presidente da Comissão, deputado Fernando Mineiro (PT) comentou que o sistema está sendo desmontado pelo Governo Federal, pois não há mais o Ministério de Ciência e Tecnologia e não é surpresa o que está acontecendo com os pesquisadores.
“Muitas coisa boas estão acontecendo no Rio Grande do Norte, apesar dessa situação, mostrando o nível dos pesquisadores formados no nosso Estado. No meio disso tudo, já como resultado do nosso trabalho aqui na Comissão, o orçamento para a FAPERN para o exercício de 2018 está previsto ser de R$ 38 milhões, quando no ano passado foi de apenas R$ 12 milhões”, ressaltou Mineiro.

O deputado Hermano Morais (PMDB), outro integrante da Comissão de Educação, falou dos avanços alcançados pela pesquisa no Estado, mas vê com preocupação a saída de pesquisadores que aqui não são incentivados. “A Ciência e a Tecnologia têm que ser tratadas como investimento, que gera renda e desenvolvimento para o País”, afirmou Hermano. 

Gestão Valdir Medeiros, retoma as obras do Hospital com economia de quase 500 mil reais


Após quase sete meses de paralisação, a Prefeitura de Jucurutu através da Secretaria de Obras e Serviços Urbanos retomou nesta quarta-feira, 25, as obras do Hospital Maternidade Terezinha Lula Queiroz, com a expectativa de continuar a reforma e ampliação da unidade até o final do segundo semestre de 2018.

As obras haviam parado em março. Na época, foram deixadas pendências pela gestão anterior, tais como: falta de apresentação a CAIXA de dados de erros no cálculos dos recursos necessários, ineficiência dos projetos, falta de informação à CAIXA das diversas mudanças executadas nos projetos originais e falta de aprovação da SUVISA (Superintendência de Vigilância Sanitária do Rio Grande do Norte). 

Agora, os recursos para financiar a conclusão do projeto vêm oriundos do Governo Federal e Recursos próprio do Município. 

Segundo a Prefeitura, esse ano foi reapresentado as planilhas e todos os documentos técnicos para reapresentação ao órgão fiscalizador Caixa Econômica Federal. Nesse momento, a planilha de readequação dos serviços apresentou o valor de R$2.338.124,52 centavos, um aditivo de R$262.960,83 centavos que equivalve a 12,67% de acréscimo do contrato inicial. 
Este aditivo permitiu o acréscimo de serviços não previstos inicialmente como : Nova cobertura e novas esquadrilhas que serão entregues ao público com a reforma e ampliação da unidade. 

Vale salientar que esta readequação quando apresentada a caixa, no final da gestão anterior, foi de R$ 717.032,99 ou seja uma diferença de R$ 464.072,16 em relação a planilha de adequação apresentada pela gestão atual.

Professores participam de curso em educação ambiental

Com o objetivo de multiplicar conhecimento sobre educação ambiental em sala de aula, o Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente – Idema, através do Parque das Dunas e da Subcoordenadoria de Planejamento e Educação Ambiental (Spea), iniciou na manhã dessa terça-feira (24), a IV edição do “Curso em Educação Ambiental: da teoria à prática”, destinado aos professores da rede pública de ensino. Cerca de vinte profissionais da educação estão inscritos e participam até sexta-feira (27), de diversas atividades relativas ao tema.Dentre os assuntos programados para os quatro dias de curso, temos a História da Educação Ambiental, Educação Ambiental nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN’s), Educação Ambiental e Espaços não Formais, Sustentabilidade e Elaboração de Projetos. Inseridas nos temas principais, estão as atividades em grupo, aulas de campo, exibição de vídeos, discussões e dinâmicas que ressaltam a importância de se trabalhar a questão ambiental nas escolas.

“A rotina do professor em sala de aula e a necessidade de cumprir o conteúdo específico de sua disciplina não permite que ele veja que à sua volta existem inúmeras possibilidades para complementar as aulas. O curso traz essa visão através da discussão e troca de experiências, além das vivências simples, mas bastante significativas”, disse a pedagoga e educadora ambiental, Monaliza Mendes.

“A estratégia de diversas atividades durante a programação também é relacionar autores como Paulo Freire e Vigotsky com a educação ambiental, trabalhando a socialização de conceitos e temas geradores ambientais para que os participantes possam elaborar atividades críticas e multiplicar esse conhecimento”, afirmou o biólogo Daniel Costa.

A abertura aconteceu no auditório Tocandira, no Parque das Dunas, e contou com a presença do diretor administrativo do Idema, Marcelo Gurgel e da gestora do Parque, Mary Sorage.

Ricardo Motta comenta em plenário retomada das funções parlamentares

O deputado estadual Ricardo Motta se pronunciou, durante a sessão ordinária desta quarta-feira (25), na Assembleia Legislativa, sobre a retomada das suas funções parlamentares. Em decisão respaldada pelas Constituições Federal e Estadual e pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o plenário autorizou, na terça-feira (24), o retorno do parlamentar à Casa.

 “Este momento não representa apenas a reparação de uma injustiça a mim cometida. Representa a retomada de uma trajetória estancada de forma abrupta. Fui impedido de exercer a outorga a mim conferida por mais de 80 mil norte-rio-grandenses, sem que tenha havido qualquer condenação”, destacou o deputado em seu pronunciamento.

Ricardo Motta agradeceu as manifestações de apoio, de carinho e orações recebidas ao longo do período no qual esteve afastado e a confiança dos colegas parlamentares, reiterando que não cometeu qualquer crime e se dizendo confiante nos tribunais perante os quais está defendendo-se.

“Retomo o mandato hoje com a voz ativa de quem nada deve, com a consciência tranquila e com o entusiasmo de quem sempre defendeu e continuará defendendo os melhores interesses do povo do Rio Grande do Norte”, finalizou o parlamentar.

Ezequiel sugere ampliar renegociação da dívida rural para financiamento de 2017


O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB), se soma ao esforço da entidades rurais da região Nordeste em manifestar a necessidade de estender a renegociação das dívidas com financiamentos contraídos em 2017 diante da queda na produtividade em decorrência da seca ou estiagem. Em requerimento, nesta quarta-feira (25), o deputado encaminhou a sugestão a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a Federação da Agricultura, Pecuária e Pesca do Rio Grande do Norte (Faern) e ao deputado federal Felipe Maia (DEM), líder da bancada do Estado em Brasília.

“Com seis anos de seca na região Nordeste é de se esperar a sensibilidade dos agentes financiadores deste país e inserir os financiamentos de 2017 neste pacote de renegociação atualmente em vigor. O homem do campo quer pagar e renovar seu crédito”, salientou Ezequiel Ferreira. Um exemplo de boa fé do homem do campo, segundo o deputado tem sido a procura de produtores rurais junto ao Banco do Nordeste para fazer a adesão à lei atualmente em vigor para financiamentos contraídos até 2016. “Já foram regularizadas mais de 125 mil operações de produtores rurais, o que corresponde a cerca de R$ 4,5 bilhões entre liquidações e repactuações, referentes a financiamentos contratados até dezembro de 2016”, disse Ezequiel Ferreira, citando dados da própria instituição financeira.

A Resolução 4.591 do Conselho Monetário Nacional (CMN) oferece condições facilitadas para que produtores possam liquidar ou renegociar suas dívidas rurais contratados entre 1º de janeiro de 2012 e 31 de dezembro de 2016. A medida estabelece prazo de pagamento até 2030, com a primeira parcela somente em 2021. Os encargos financeiros serão os mesmos da ocasião em que o contrato foi celebrado e os agricultores devem residir em municípios que tenham obtido reconhecimento federal de situação de emergência, seja em decorrência de seca ou estiagem.

Deputado Nelter Queiroz faz desabafo sobre situação hídrica do RN

Nesta quinta-feira (26) o deputado Nelter Queiroz (PMDB) fez um aparte ao pronunciamento do deputado Vivaldo Costa (Pros), na Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Norte (ALRN), para lembrar que foi o primeiro a lutar pela construção de uma adutora de engate rápido para Jucurutu, e que a empresa executante da obra foi a mesma contratada pelo Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS) para construir a adutora de Acari e Currais Novos.

“Eu chamei atenção na época, pois essa empresa não fez o serviço bem feito em Jucurutu e também não faria em Acari e Currais Novos”, ressaltou o deputado. Nelter lembrou que avisou diversas vezes que a construção da adutora de engate rápido de Caicó, partindo da Barragem Armando Ribeiro Gonçalves, seria um equívoco, já que o reservatório não atendia satisfatoriamente os sistemas adutores existentes. “O Governo do Estado fez alguns poços em Afonso Bezerra para reduzir a retirada de água da Armando Ribeiro Gonçalves. A adutora que vai até Patu está parada há mais de um ano porque não tem água na Barragem”, disse o deputado.

O parlamentar frisou que, por diversas vezes, avisou no plenário da ALRN que, quando concluída, a adutora de engate rápido não teria água para abastecer Caicó. “Eu já dei a ideia diversas vezes e volto a dizer, a solução imediata para as adutoras de Caicó, Serra de Santana, Currais Novos e Acari, e até a de Patu, é a construção de uma nova adutora, com extensão de 50 quilômetros, tirando água do lençol freático de Upanema. Esse projeto já existe em Brasília. Assim, essa nova adutora chegaria até Jucurutu onde seria interligada com as demais. Essa é a solução.”.

INSATISFAÇÃO

Segundo Nelter Queiroz, ainda em seu aparte, enquanto falta dinheiro para a viabilização de obras no Rio Grande do Norte, o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, leva semanalmente recursos para o Pará, seu estado de origem. “A bancada federal tem que dar um murro na mesa para resolver essa questão. Salvaram Temer ontem, mas infelizmente não conseguem nada para o nosso Estado”, alertou o parlamentar, dizendo que já tinha apelado na ALRN para que os deputados e senadores colocarem o presidente pra fora.

“Está faltando a bancada federal bater na mesa e exigir do presidente uma atenção especial com nosso Estado, pois dinheiro em Brasília tem, falta é força da bancada federal. É lamentável a falta de um homem como Aluízio Alves à frente de nosso Estado; a falta de tantos homens como Nélio Dias, Iberê Ferreira de Souza e Fernando Bezerra, que tanto fizerem pelo Rio Grande do Norte”, concluiu Nelter, chamando atenção de que os grandes problemas vivenciados na atualidade foram gerados pelo descaso do governo Rosalba Ciarlini.  

George Soares reúne representantes dos transportes intermunicipais para entendimentos 


Diante da grande luta para regularizar o setor dos transportes alternativos intermunicipais no RN, o deputado estadual George Soares (PR) recebeu, nesta quinta-feira (26), representantes de cooperativas e sindicatos que realizam essa atividade no RN, para entendimentos sobre o papel e as definições de cada um, dentro da legislação que está sendo trabalhada na Assembleia Legislativa, a fim de regulamentar o setor que há mais de 20 anos luta por essa causa.

“Estamos ouvindo todas as entidades envolvidas nessa grande discussão para chegarmos aos denominadores comuns e cada categoria dos alternativos terem seus conceitos definidos para garantir espaço e mercado a todos. Esse diálogo não é fácil, pois existem alguns interesses convergentes, porém isso faz parte do processo de legislação e os beneficiários estão colaborando para que essa regulamentação aconteça o quanto antes, “ finalizou o deputado George Soares.

“”