Principal nadadora do país é flagrada em teste antidoping

nadadora

Ministério suspende bolsa de Etiene Medeiros após caso positivo de doping

A pernambucana Etiene Medeiros, 25, destaque da natação feminina do Brasil, foi pega em um exame antidoping e pode ficar fora dos Jogos Olímpicos do Rio, em agosto.

A contraprova também deu positivo. As informações são do site Globoesporte.com –a Folha confirmou o caso positivo. O teste que a flagrou ocorreu em 8 de maio e foi realizado pela ABCD (Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem).

Segundo Marco Aurelio Klein, secretário nacional para a entidade, o controle foi fora de competição e detectou a substância fenoterol, um antiasmático que atua como broncodilatador. O fenoterol também estimula a produção do hormônio eritropoietina e de anabolizantes.

Devido ao exame positivo, o Ministério do Esporte suspendeu a Bolsa Pódio que destinava à nadadora. “A Bolsa Pódio da atleta foi suspensa assim que o Ministério do Esporte tomou conhecimento do caso. A suspensão vai até o julgamento final da questão. Caso seja absolvida, receberá os valores pagos retroativamente. Se condenada, o benefício será cancelado”, disse a pasta à Folha, por meio de nota.

Ela ganhava R$ 8 mil do repasse federal, por estar entre as 20 melhores do mundo em algumas de suas provas.

Etiene disputaria um campeonato na última semana na Europa, mas não participou das provas nas quais estava inscrita. No momento, ela permanece em São Paulo à espera dos próximos passos.

De acordo com a ABCD, a notificação foi feita no dia 2 de junho. No dia seguinte, ela se declarou em suspensão voluntária. Na terça-feira (14), Etiene pediu a abertura da contraprova, que também deu positivo.

A pernambucana, primeira nadadora do país a conquistar ouro em Jogos Pan-Americanos (ouro nos 100 m costas em Toronto-2015) e pódio em um Mundial em piscina longa (prata nos 50 m costas em Kazan-2015), estava classificada para disputar cinco provas na Rio-2016: 100 m costas, 50 m livre, 100 m livre e os revezamentos 4 x 100 m livre e 4 x 100 m medley. A depender da tramitação dos recursos e de eventuais julgamentos, ela pode ficar fora da Olimpíada do Rio.

Etiene também foi a primeira brasileira campeã mundial em piscina curta (25 m), na edição de Doha-2014, também nos 50 m costas –também obteve o recorde mundial da prova.

Quem cuidará da defesa da nadadora será o advogado Marcelo Franklin, que já trabalhou nos casos positivos de Cesar Cielo (2011) e João Gomes Júnior (2015). Ambos devem alegar falha no preenchimento da autorização de uso terapêutico do medicamento que ela utiliza para asma.

Neste ano, Etiene também foi testada quatro vezes pela Fina (Federação Internacional de Natação), todas as vezes fora de competição. Os exames ocorreram em fevereiro, março, abril e maio.

Em nota, a assessoria de imprensa da atleta disse que “a atleta Etiene Medeiros está tranquila e determinada a esclarecer o assunto e provar sua inocência”. “Enquanto isso, ela respeitará todos os limites impostos pelas autoridades esportivas.” A nadadora não vai se pronunciar.

Pessoas próximas classificaram ela como “firme”, “lúcida” e “serena” no momento, apesar do caso positivo.

O Sesi-SP, clube que defende, disse que a pernambucana é “um dos seus orgulhos” da agremiação e que está do lado dela.

A Marinha do Brasil diz que “aguardará o resultado do julgamento e recursos, para um correto e justo posicionamento”.

Folha de São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *