No dia das mães, filha procura pai que nunca viu! Confira a história emocionante dessa jucurutuense

O blog descobriu a comovente história de Luciana Alice Araújo de Medeiros e resolveu ajudá-la nessa busca incessante pelo seu genitor.

Aos 30 anos de idade, Luciana nunca viu o pai. Ela só sabe seu primeiro nome “Nazareno”.

As informações sobre o homem que lhe gerou são poucas, a única coisa que ela sabe é que tem um pai e nada mais, nunca conseguiu arrancar nenhuma informação da sua mãe e sempre que o assunto era sobre seu pai, a filha era impedida de ouvir.

Na época a mãe dela trabalhava em Natal e engravidou, ao saber da gravidez dona Luzia Alice fugiu do suposto pai da sua filha.

O sonho de encontrar o pai acompanha Luciana durante todos esses anos.

Luciana fala pela primeira vez do assunto e disse que escolheu nossa reportagem visando a boa relação que nosso blog tem com o público, e a facilidade de encontrar pessoas através da nossa boa audiência, como exemplo a acriana que procurava seus familiares aqui em Jucurutu e em poucos minutos de matéria lançada, Thereza Rodrigues descobriu que tem centenas de primos, milhões de conhecidos, dezenas de tios e passou a ter contato com seus avós através desse meio de comunicação. (Relembre aqui

Luciana escreve diretamente para seu pai que nunca conheceu, usou a emoção e o coração e desabafou.

Leia na íntegra o desabafo:

Hoje decidi contar um pouco da minha história, outras vezes tentei escrever mas o medo me consumia e sempre desistia. Meu nome é Luciana Alice, tenho 30 anos, apesar de não ter muito a dizer, vou relatar um pouco do que sinto.

Fui criada pela minha mãe Luzia Alice, e ela assumiu o papel de pai e mãe na minha vida.

Mas o tempo foi passando e eu fui crescendo ouvindo uma coisa ali outra aqui, nunca nada concreto.

Cresci vendo meus amigos e amigas com seus pais e quando me perguntavam sobre o meu eu ficava triste sem saber o que dizer.

Pois sobre o meu pai nunca me falaram nada, é triste você não saber se tem um pai ou avô e avó, se tem mais irmãos ou não…

Passei boa parte da minha infância sem que minha mãe me falasse algo que me levasse entender o porquê! Sobre o meu pai minha mãe nunca aceitou que eu soubesse nada, ela nunca aceitou que ninguém tocasse no assunto. Muitas vezes me pergunto o porquê de tanto silêncio, será que ele nunca quis saber nada sobre mim, o porquê de nunca ter me procurado, já ouvi alguém dizer que certos pais é melhor nunca conhecer.

E isso muitas vezes me assusta, me dá medo, medo de ele não querer saber nada sobre mim, medo do desconhecido.

E assim os anos foram passando, não vou dizer que nunca me fez falta, fez sim e muito… Embora que fosse pra me dar broncas mas nem isso, faz muita falta saber quem é meu pai, de onde veio, saber uma parte da sua história.

Sei que pai é quem cria, quem dar amor…

E eu cresci sem saber nada sobre o meu.

As vezes quando vou a natal por saber que o meu pai é de lá, muitas vezes ,sem querer despercebidamente andando na rua me peguei procurando semelhança nas pessoas, também no decorrer da minha vida me pergunto com quem me pareço mais, não só na aparência mas nas atitudes desde da minha infância.

É difícil definir em palavras o que sinto com tudo isso, tristeza por uma parte, pois de um certo modo existe um vazio que por mais que minha mãe tenha se esforçado, nunca  preencherá, sempre falta algo .

Um dia depois de anos uma amiga me trouxe de São Paulo uma foto antiga, sua tia me mandou ao saber da minha história, ela era amiga da minha mãe e conheceu o meu pai foram amigos, mas quando liguei pra ela, me falou que não sabia nada dele, perderam o contato há muitos anos, aí me restou só a foto.

Da minha mãe nunca consegui arrancar nada e sei que nunca vou saber.

Sei muita pouca coisa que minha mãe engravidou de mim em Natal, quando ela trabalhava lá, que meu pai se chama Nazareno, que minha mãe fugiu grávida quando estava grávida de mim, é só.

Hoje resolvi contar minha história não por que eu queira nada dele, isso jamais! Sei que sou uma estranha pra ele, assim como ele é pra mim. O que quero é saber mais da minha própria vida e preencher esse vazio que tenho dentro de mim.

Quero saber se ele está vivo, quero preencher essas lacunas que faltam em minha vida.

Perto ou longe, de consideração ou de sangue, pai é aquele que te cria, ama, te chama de filho (a), te dar abraços verdadeiros, conselhos, fez e faz parte da tua vida, suas lembranças, das broncas, das conciliações, do perdão… de tudo .

Venho através dessa carta encarecidamente pedir que se alguém tem alguma informação que me leve saber algo sobre meu pai, me ajude.

Na minha vida nunca tive a oportunidade de saber nada sobre meu pai até hoje, queria que ele soubesse que não tenho mágoa, nem raiva, o amo só em saber que é meu pai mesmo que ele nunca tenha sentido nada por mim, só quero saber mais sobre minha história.

Luciana Aline, Filha de Nazareno e Luzia Alice
Luciana Alice, Filha de Nazareno e Luzia Alice

 

Dona Luzia Alice (Mãe)
Dona Luzia Alice (Mãe)

 

A unica foto do pai que Luciana conseguiu durante todos esses anos buscando informações que pudessem levá-la até seu pai Nazareno
A única foto do pai que Luciana conseguiu durante todos esses anos buscando informações que pudessem levá-la até ele, Nazareno

Quem souber alguma informação sobre essa história e puder ajudar, entre em contato através do nosso número (whatsApp): (84) 99951-4458 falar com Emanuella Galvão ou mande um e-mail para o endereço emanuellagalvaoo@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *