O povo da Barra de Santana está sendo tratado como pedra de rio

Oiticica – Uma obra que todos sabem seu tamanho e sua relevância, um sonho dos que sofrem na região do Seridó, sonho projetado na década de 1950 e que até os dias atuais, mesmo depois de ter passado mais de 50 anos, nada dessa obra ser concluída, os atingidos e atingidas pela Barragem de Oiticica, ainda continuam com o futuro incerto, e vivenciam esse desamparo, essa falta de respeito com a qualidade de vida que está sendo ignorada e estão sendo tratados como simples pedras de rios, pedras que só poderão compor a paisagem da tão sonhada barragem.

O povo do Seridó tem sede, sofre com a falta de água e a conclusão dessa obra seria a solução, o alívio, beneficiando mais de 350 mil pessoas.

Mas não podemos tratar os moradores da Barra de Santana como pedras, são seres humanos… Não podem ser inundados!

Faço aqui um apelo as nossas autoridades, não por esta blogueira, mas por dona Alexandrina, Dona Nega da Barra, Dona Branca, Dona Ducéu, Dona Maria do Rosário, pela memória de seu Manoel Bezerra, pela nova geração; Janiele, Maria Célia, Marlos, Erika, Ariana, Bruno, Rosário, Josenildo, Reinailza e todos àqueles que estão sendo atingidos de forma direta e indireta pela construção dessa grande e importante obra que é a Barragem de Oiticica.

Não tratem o povo como pedras de rio, trate o povo como flor que precisa ser regada e com todo carinho cuidar. Essas flores merecem um jardim, merecem a Nova Barra de Santana, chega de desrespeito, de descaso e providenciem esse jardim!

Somos humanos, temos famílias, temos histórias, estou falando de igual para igual!

Os moradores da Barra já estão perdendo com isso desde quando se ouviu falar nesta obra e mesmo assim abrem mão de tudo, estão dispostos a abrir mãos de todos os valores que foram construídos naquela comunidade e mesmo assim estão sendo tratados como PEDRAS!

Espero que apareça uma luz, mesmo diante de tanta descrença, aconteça esse reassentamento para uma nova comunidade e o povo comece a ter sua segurança definida.

Emanuella Galvão

 

pedras

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *