Diarista de SP junta dinheiro para reformar casa e obra ganha prêmio

casa-mais-bonita-mundo_marcelo-brandt_g1-14

Dalvina Ramos e o filho contrataram arquitetos para refazer imóvel.

Projeto foi considerado a melhor construção do mundo por site internacional.

Dona do imóvel na Zona Leste de São Paulo que ganhou o prêmio internacional “Building of the Year 2016” (melhor construção do ano), promovido por um dos sites mais importantes do segmento no mundo, o ArchDaily, a diarista Dalvina Borges Ramos, aos 74 anos, ainda não se acostumou com a cor de sua nova casa. “A parede eu até acho bonitinha, mas esse chão dá a impressão que é sujo. Quero colocar um piso branquinho para dar uma aparência mais alegre”, explica.

Telhado e paredes de concreto, chão de cimento queimado. A modernidade não agrada no tom, mas afaga ao garantir segurança: é sob teto firme que ela sempre quis viver. “Eu tinha medo. A casa estava caindo.”

A reforma foi planejada por Marcelo Borges, filho único da diarista, e o responsável por procurar um escritório de arquitetura com dois pedidos: urgência e orçamento limitado. O imóvel capengava não apenas pela idade avançada – foi adquirido por Dalvina há mais de 25 anos – mas também pela construção mal planejada.

A gota d´agua foi um dilúvio. Parte do teto desabou durante uma forte chuva na capital paulista em 2013. Dalvina estava no banho quando a estrutura caiu.

“Ouvi um barulhão. Quando cheguei no quarto, aquele cenário, uma fumaça. Os pedaços de concreto estavam em cima da cama. Demorou um tempo pra ficha cair que tudo aquilo poderia ter ido em cima de mim”, relembra Dalvina. “Por sorte não pegou ela. Foi o alerta de que precisávamos resolver a situação”, recorda Marcelo.

Meses depois do incidente, começava o processo de reforma do imóvel de 95 metros quadrados, na Vila Costa Melo. O valor não poderia ultrapassar R$ 150 mil, montante acumulado pela diarista ao longo da vida.

A reserva era preciosa e resultado de décadas de suor e poupança. Dalvina deixou Brumado, interior da Bahia, nos anos 60. Ela, os pais e 14 irmãos saíram da zona rural nordestina rumo à Garça, interior de São Paulo, onde uma tia morava.

Trabalhou na roça paulista até ser contratada como empregada doméstica de uma família que um ano depois, mudou-se para a capital. Dalvina foi junto. Passou boa parte da vida residindo no emprego, fez de um quarto sua morada e do filho. No final dos anos 80, comprou o imóvel agora transformado – e premiado.

IMG_0388
Imóvel de Dalvina, na Zona Leste de São Paulo, ganhou o prêmio internacional “Building of the Year 2016” (melhor construção do ano), promovido por um dos sites mais importantes do segmento no mundo, o ArchDaily (Foto: Marcelo Brandt/G1)

Há 31 anos trabalha como diarista de uma senhora na região da Mooca. Agora, guarda dinheiro para comprar armários e instalar um piso e um branquinho no chão. “Eu acho minha história bonita. É uma história de vida”, reflete.

Leia matéria completa no site do G1 (CLIQUE AQUI)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *