Casa do Estudante: O sonho de um futuro promissor que foi roubado

IMG_0521

Os primeiros presos que vão inaugurar o futuro presídio que será construído em Jucurutu, no prédio que é localizado a Casa do Estudante, deveriam ser os que roubaram os sonhos de muitos que ali construíram histórias, com dificuldades, derramaram muito suor e enfrentaram o perigo no trajeto da sua comunidade até a cidade onde passavam os dias de aula no abrigo estudantil, as travessias difíceis e perigosas no Rio Piranhas quando cheio. Todos passavam o final de semana em casa com a família. Tudo isso agregam minhas lembranças…

Mesmo sem nunca ter precisado desse auxílio, também fez parte da minha história e de muitos que caminhavam no dique e viam estudantes sentados nas escadas da represa, em grupos discutindo as aulas, ou mesmo solitários, estudando, lendo, refletindo com a paisagem do pôr do sol… Por lá, viveram alunos de todos os sítios do município.

As lembranças tornam-se vivas agora…

Estudantes espalhados na frente da casa, ou até mesmo na pequena quadra praticando esportes… Não tem como fugir da emoção para chegar ao nosso objetivo da matéria!

Com certeza saíram muitos doutores dali, grandes professores, que se orgulham e são gratos por ter contado com esse apoio: Dormida e três refeições por dia.

Ainda tinha o São João, o famoso e um dos mais badalados São João da cidade!

A confraternização Junina acontecia lá mesmo, no terreno da casa e além de arrecadar fundos, com a entrada para o forró com bandas musicais e vendas de comidas típicas, ainda garantia uma noite de muita diversão à população!

São essas as poucas lembranças que esta blogueira, cidadã jucurutuense, têm…

Chegando ao objetivo da matéria: Dois ex-alunos que moraram lá durante todo tempo do colégio e da universidade, passaram em PRIMEIRO lugar no último concurso para professor do Estado!

Cliodenor Felipe da Silva foi aprovado em Matemática e Francisco Hermínio Ramalho de Araújo aprovado em Geografia, ambos passaram seus dias de estudantes hospedados na casa.

O que era para ser mantido, reformado, equipado com melhores camas, mais conforto e continuar sendo apoio de muitos pais que gostariam de um lugar seguro para deixar seus filhos, se tornará futuramente um lugar de bandido…

Sem contar que nem oferecem transporte seguro para os alunos que tem sido transportados como bichos amontoados em cima de “pau de arara”, como os alunos da serra que ainda tem que enfrentar uma estrada muito ruim!

O dique praticamente não será mais lugar de lazer, o quadro ficará negro. Ao invés de estudantes alegres, felizes, refletindo ao pôr do sol, jogando bola na quadra, a imagem será outra e bem estranha, e quem é que vai caminhar no dique sabendo dos riscos de encontrar presos fugindo ou bandidos escondidos por alí procurando acessos ao presídio para jogar droga ou alguma coisa do tipo? Espaços para isso terão até demais!

Fecharam um dique com um projeto mal feito ou do jeito mesmo que querem e andam fazendo, sem consultar a população e agora pensam em fechar o outro, construindo uma cadeia!

DEPOIMENTOS DE ALUNOS:

“A Casa do Estudante de Jucurutu, foi um lugar que abriu as portas do mundo pra muitas pessoas.

Tive a oportunidade de vivenciar essa experiência e, graças a Deus, pude tirar o melhor que esta pôde me oferecer.

A casa foi um lugar por onde passaram inúmeras pessoas, muitos souberam aproveitar aquele ambiente. Digo isso com muita seriedade, pois tenho colegas que hoje são verdadeiros cidadãos – pessoas que lutam e desejam uma sociedade mais justa e que deixemos de ser verdadeiros alienados – que trabalham em diversas áreas (educação, saúde, segurança, comércio…).

Penso na situação dos atuais alunos da zona rural, principalmente, que dependem muito de uma residência urbana. Imagine você ter que “subir” e “descer” a Serra por mais de 200 dias, quase que seguidos,  em “cima” de uma D40?

Como será que os pais ficam pensando em casa? Angustiados? Ou sentindo irresponsáveis por ter colocado alguém no poder pra ajudar nestas situações e sentir-se desamparado?” Cliodenor Felipe, Morador da Serra do João do Vale e viveu seus dias de estudante na casa e recentemente passou em primeiro lugar no concurso do Estado para professor de Matemática

 

“Desde o ano de 1988 quando passei a frequentar a Escola Estadual Newman Queiroz para fazer a 5ª série do Ensino Fundamental; hoje o quinto ano, fui interno da casa.

Na época, vários alunos vinham de Boi Selado, São Braz, e de outros sítios da Zona Rural do município moraram na instituição com a finalidade de prosseguir seus estudos normais.

A alimentação da casa era fornecida pela FUNDAÇÃO DE ASSISTÊNCIA AO ESTUDANTE – FAE, órgão do governo federal que faliu com o passar de alguns meses. Logo, o município passou a fornecer essa alimentação e assim, continuou o funcionamento da entidade sem interrupções.

Anos mais tarde, a CEJ passou a ter convênio com o governo do Estado, o qual fornecia a alimentação com exceção do leite, pães, margarina, ovos e botijões de gás. E nesse meio termo, o município mantinha as cozinheiras, os responsáveis pela coordenação e por último, um vigia que visasse o controle de entrada e saída dos alunos vindos, principalmente, dos sítios Mutamba, Chã dos Félix e Chã das Cacimbas, sem falar em São Braz, Saco do São Vicente e outros.

Como ex-aluno morador da casa, eu digo com toda convicção que valeu muito a pena o investimento dos governos destinados à Casa do Estudante de Jucurutu. O retorno foi ver muitos atualmente formados, trabalhando como funcionários públicos estaduais e municipais. Lamento que nosso lugar de grandes sonhos, vire uma prisão.” Francisco morador do Sítio São Braz, ex-funcionário da prefeitura de Jucurutu.

IMG_0538
Hoje a Casa do Estudante encontra-se abandonada e virou ponto de consumos de drogas. Fotos: 26/02/2016

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *