Convidado dos caseiros morre afogado na piscina de Demi Moore

Atriz estava viajando enquanto caseiros davam uma festa na piscina da casa

Atriz estava viajando enquanto caseiros davam uma festa na piscina da casa

Demi Moore diz estar chocada e triste pela morte de um homem de 21 anos no domingo (19), na piscina de uma casa em Los Angeles que pertence à atriz.

“Estou em choque absoluto”, disse a atriz de 52 anos em uma declaração divulgada por sua agente, Heidi Lopata. “Eu estava fora do país, viajando para me encontrar com minhas filhas para a comemoração de um aniversário, quando recebi a notícia devastadora”.

Moore disse que a morte, que aconteceu durante uma festa promovida por sua assistente durante sua ausência, foi uma “tragédia inimaginável, e meus sentimentos estão com a família e os amigos deste jovem”.

O homem, Edenilson Steven Valle, tinha desaparecido cerca de 10 a 15 minutos antes de seus amigos o encontrarem boiando na piscina no começo da manhã de domingo, segundo o tenente Fred Corral, do condado de Los Angeles.

Parentes e amigos do jovem disseram aos investigadores que ele não sabia nadar.

A polícia e paramédicos foram ao local após um telefonema para o serviço de emergência por volta das 5h15.

Os paramédicos tentaram reanima-lo, mas Valle foi declarado morto no local às 5h30, disse Corral

G1

Após ser levado vivo a necrotério, paciente morre em UTI de Cuiabá

Achado vivo no necrotério, Vitalino foi para UTI, mas morreu nesta segunda.
Achado vivo no necrotério, Vitalino foi para UTI, mas morreu nesta segunda.

 

A Prefeitura de Cuiabá emitiu nota informando que lamentavelmente o homem de 58 anos encontrado com sinais vitais dentro do necrotério do Pronto-Socorro de Cuiabá na última sexta-feira morreu por volta das 12h desta segunda-feira (20).
Vitalino Ventura da Silva havia sido internado no Pronto-Socorro (PS) no último dia 15 e teve duas paradas cardíacas na última sexta-feira, quando teve a morte equivocadamente atestada. Ele foi encaminhado ao necrotério, onde foi encontrado com sinais vitais uma hora depois. Uma sindicância deverá apurar as circunstâncias e responsabilidades de funcionários do PS no caso.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), o paciente teve a morte efetivamente atestada nesta segunda-feira, de modo que seu corpo já está sendo transferido ao Instituto Médico Legal (IML) para que seja determinada a causa da morte e para que seja registrado o atestado de óbito.

Também conforme a nota de esclarecimento, foi encaminhada uma solicitação para que o Conselho Regional de Medicina (CRM) apure a conduta dos profissionais de medicina envolvidos.

Solicitação idêntica já foi feita pelo Ministério Público ao CRM e ao Conselho Regional de Enfermagem, bem como à Polícia Civil, para que instaure inquérito sobre as responsabilidades criminais da equipe médica. O próprio Ministério Público poderá instaurar inquérito sobre eventual ato de improbidade administrativa no caso.
Depois de dar entrada no PS no dia 15, Vitaliano Ventura da Silva sofreu duas paradas cardíacas na Sala Vermelha no dia 17. Reanimado após a primeira parada cardíaca, depois da segunda ele não reagiu e foi equivocadamente dado como morto, tendo sido encaminhado ao necrotério do PS em seguida, por volta das 23h, segundo anotações de uma médica que o acompanhou.

Uma pessoa que passava pelo necrotério, entretanto, estranhou os movimentos do lençol que cobria o corpo do paciente deixado numa maca dentro do necrotério. Por volta de 0h de sábado ele já havia sido encaminhado de volta à Sala Vermelha do PS. Ele ficou lá até a noite de domingo (19), quando foi levado para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), onde acabou morrendo por volta das 12h desta segunda-feira, segundo nota publicada pela Prefeitura.

Fonte: G1

Brasil condena atentado que causou 30 mortes na Turquia

explosão

 

Por Jornal do Brasil

O governo brasileiro condenou “veementemente o ataque praticado no dia 20 de julho na localidade de Suruç, na Turquia, classificado pelas autoridades locais como atentado terrorista”, que causou a morte de 30 pessoas e deixou mais de 100 feridos, informou o Ministério das Relações Exteriores.

“Ao manifestar sua solidariedade ao governo e ao povo da Turquia e, em especial, aos familiares das vítimas, o Brasil reitera seu repúdio a todos os atos de terrorismo, praticados sob quaisquer motivações”, diz, em nota, o Itamaraty.

O primeiro-ministro turco Ahmet Davutoglu disse que a investigação do ataque suicida ocorrido hoje de manhã aponta para a autoria do grupo extremista Estado Islâmico.

“As primeiras evidências dizem que a explosão foi um ataque suicida perpetrado pelo Daesh (sigla em árabe para o Estado Islâmico)”, disse Davutoglu, em entrevista coletiva em Ancara.”Ainda não chegamos a uma conclusão”, acrescentou o chefe do governo islâmico conservador.

Davutoglu afirmou que o autor do atentado suicida ainda não foi identificado. A imprensa turca informa que o atentado foi praticado por uma mulher jovem, com pouco mais de 20 anos.

O primeiro-ministro da Turquia acrescentou que o envio de reforços militares para a fronteira com a Síria, que começou há várias semanas, vai continuar. A cidade turca de Suruç está próxima da fronteira com a Síria.

O ataque teve como alvo o jardim de um centro cultural onde mora um grupo de jovens ativistas pró-curdos, ou ligados a grupos políticos de esquerda, que queriam atravessar a fronteira para participar na reconstrução da cidade síria de Kobane, destruída durante a batalha que em setembro do ano passado colocou frente a frente combatentes do Estado Islâmico e milícias curdas.

Áudio: PF indicia oito pessoas em inquérito envolvendo a Odebrecht

O CBN destaca que entre as pessoas indiciadas está o presidente da empreiteira, Marcelo Odebrecht. Eles respondem pelos crimes de fraude a licitação, lavagem de dinheiro, corrupção ativa e passiva, crime contra a ordem econômica e organização criminosa.

marcelo

Filhos de detento morto após sofrer violências em Alcaçuz serão indenizados pelo Estado

Duas crianças receberão do Estado do Rio Grande do Norte uma pensão mensal correspondente a meio salário mínimo cada, à título de danos materiais, e mais R$ 40 mil, para cada criança, a título de danos morais, acrescidos juros e correção monetária. Motivo: o pai das crianças morreu após sofrer diversas agressões enquanto encontrava-se preso na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, em 2010. A sentença é do juiz Luiz Alberto Dantas Filho, da 5ª Vara da Fazenda Pública de Natal.
Segundo os autos, a vítima assassinou a mãe das crianças em 2010, se apresentado à polícia e assumido a autoria do crime, tendo sido preso em flagrante. Foi transferido para a Penitenciária de Alcaçuz após a decretação de sua prisão preventiva.
Na Penitenciária, passou 45 dias em regime de isolamento sob o pretexto de que o contato direto com os demais presos poderia ocasionar riscos a sua integridade física por conta da repercussão do crime ocorrido.
Contudo, em 14 de agosto de 2010, após sofrer violências no presídio, foi encaminhado pela direção da Penitenciária para o Hospital Deoclécio Marques, em Parnamirim e de lá para o Hospital Giselda Trigueiro, em Natal. A vítima ficou internada na UTI do estabelecimento hospitalar, onde veio a falecer no dia 22 de agosto de 2010, vítima das agressões demonstradas pelos sinais como hematomas e ferimentos de queimaduras de 1º, 2º e 3º graus em diversas regiões do corpo, deixando os dois filhos menores de idade órfãos dos pais e ao desamparo.
Os autores atribuíram culpa ao Estado por deixar de oferecer proteção e garantia à integridade física e à vida do preso, e assim requereram indenização material na forma de pensão mensal para o sustento das duas crianças na quantia correspondente a um salário mínimo, além de ressarcimento a título de danos morais a ser divididos em partes iguais entre os autores. Já o Estado do RN não se manifestou na ação judicial.

Garantia constitucional

Quando analisou o caso, o magistrado Luiz Alberto Dantas Filho considerou como verdadeiras as alegações dos autores. Ele esclareceu que a Constituição Federal, no tópico dos direitos e garantias fundamentais conferidos a todos os cidadãos, dispõe com clareza que “é assegurado aos presos o respeito e à integridade física e moral” (art. 5º, inciso XLIX), devendo o Estado adotar todas as providências indispensáveis ao cumprimento deste preceito mandamental contido na Constituição Federal.
“Acontecendo o que de fato ocorreu com o genitor dos infantes, que estando custodiado na Penitenciária Estadual de Alcaçuz foi violentado pelos demais detentos culminando com sua morte, não resta dúvida quanto ao direito indenizatório conferido aos filhos menores de idade autores da presente demanda, na forma de ressarcimento por danos material e moral”, afirmou levando em consideração posicionamento adotado pelo o Supremo Tribunal Federal (STF) para casos semelhantes.
Ele entendeu razoável estipular o valor referencial do um salário mínimo, considerando sua natureza de caráter alimentar, a ser dividido em partes iguais entre os dois beneficiários, também com base em posicionamento do STF. Assim, determinou que os dois filhos menores da vítima terão direito ao benefício da pensão civil indenizatória, a partir da morte do genitor, de acordo com o art. 398 do Código Civil e a Súmula 54 do STJ, até os 21 anos de idade, ou os 24 anos se estiverem estudando em faculdade ou em escola técnica de segundo grau, salvo em caso de invalidez, enquanto durar a incapacidade.
“No pertinente à indenização por danos morais, ao negligenciar e deixar de cumprir com seu dever constitucional de garantir a integridade física do preso, o Estado motivou em tese a impossibilidade do convívio futuro dos filhos com o pai, não obstante a morte trágica da mãe dos infantes direcionada a ele”, comentou o magistrado.
Luiz Alberto Dantas concluiu: “Não resta a menor dúvida de que a morte decorrente de ato omissivo do Estado, que no dever legal de preservar a vida de quem esteja sob sua custódia formal não adotou providências comprovadas para que o fato deixasse de acontecer, como na situação em análise, gerou o direito ao ressarcimento por danos morais em prol dos filhos menores da vítima”.

TJRN

País pode economizar R$ 4,3 bilhões com Audiência de Custódia, diz Lewandowski

MINISTRO

A adesão de todos os estados ao projeto Audiência de Custódia, idealizado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para permitir a apresentação do preso em flagrante a um juiz em 24 horas, pode resultar na economia de R$ 4,3 bilhões aos cofres públicos. A estimativa foi divulgada pelo presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, durante o lançamento do projeto em Minas Gerais nesta sexta-feira (17).

“O preso custa, em média, R$ 3 mil reais por mês ao Estado, e se lograrmos implantar as audiências de custódia em todo o país até 2016, isso poderá resultar em economia de R$ 4,3 bilhões que poderão ser aplicados em educação, saúde, transporte público, e outros serviços”, disse o ministro.

A economia ocorre porque, com a audiência de custódia, o juiz tem mais elementos para decidir pela liberdade provisória condicional, reduzindo a população carcerária e desonerando os cofres públicos.
Lewandowski também falou sobre as necessidades legais que levaram o CNJ a desenvolver a metodologia, como o fato de o Brasil ser signatário do Pacto de San Jose da Costa Rica, de 1992, que prevê a apresentação do preso em flagrante a um juiz no menor prazo possível. Ele lembrou que o Brasil é o quarto país que mais encarcera no mundo, sendo que 41% são presos provisórios.

“São pessoas que passam em média quatro meses até verem um juiz, vivendo a ofensa ao princípio da inocência e da não culpabilidade. É importante que corrijamos essa situação em um processo humano e civilizatório”, disse.

O ministro ainda incentivou o combate à cultura do encarceramento, lembrando que o Judiciário nem sempre atua em consonância com a opinião pública. “Nós juízes temos ações de contrassenso, não podemos sempre responder às ruas que pedem mais encarceramento e punições mais severas, porque isso não é solução para a criminalidade. Não podemos deixar pessoas lá para sofrer violência e entrar para facções saindo piores que entraram”, avaliou.

Com informações da Agência CNJ de Notícias

Chuvas torrenciais atinge o Rio Grande do Sul

Moradores do bairro Americana são removidos de barco
Moradores sendo removidos de barco

 

As chuvas no Rio grande do Sul não cessam. Há semanas chovendo sem parar, os fortes temporais estão aterrorizando os gaúchos. Mais de 10 mil pessoas estão desabrigadas e muitos já perderam tudo! Até o início da noite deste domingo, mais de 25 mil pessoas sofriam as consequências da chuva dos últimos dias no Rio Grande do Sul. De acordo com a Coordenadoria da Defesa Civil do Estado, pelo menos 1,6 mil foram obrigadas a deixar suas casas e estavam acomodadas em abrigos. Para a semana, a  previsão é de mais chuvas.