Ministério da Saúde inicia avaliação do Walfredo Gurgel

Em todo o país serão avaliados de 2.589 unidades de média e alta complexidade
Em todo o país serão avaliados de 2.589 unidades de média e alta complexidade

Avaliar e traçar um diagnóstico de 2.589 unidades de média e alta complexidade em todo o país. É com essa meta que o Ministério da Saúde (MS) deu início ao Programa Nacional de Avaliação dos Serviços de Saúde (PNASS), que agora chega ao Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel (HMWG). As avaliadoras do MS, Taíza Rôse Farias, Andréa Mendonça, Gizileide Nascimento e Gleiciane Fonseca, estão no hospital para verificação documental e observacional de serviços. A avaliadora Taiza Farias explica que “a verificação busca a apreensão abrangente da realidade dos estabelecimentos de saúde, por meio da aplicação de um roteiro com vários questionamentos que compõem cinco blocos”. São eles: gestão organizacional, apoio técnico e logístico para a produção do cuidado, gestão da atenção à saúde e do cuidado, serviços/unidades específicas e assistência oncológica (este último não aplicável ao HMWG). Devido à extensa quantidade de documentos exigidos durante a avaliação e à necessidade de visitas a todos os setores do hospital, a expectativa das avaliadoras é que sejam necessários até cinco dias para execução de todas as tarefas pretendidas. Para o RN, o MS destinou um total de oito avaliadores divididos em duplas (uma para hospital de pequeno porte) e em grupos de quatro (um para cada hospital de grande porte) como o Walfredo Gurgel, o Onofre Lopes e Hospital do Coração. O trabalho com a direção do Walfredo Gurgel teve início na tarde de ontem (30) e contou com a presença e colaboração de vários chefes e gerentes. Para a diretora do HMWG, Maria de Fátima Pereira Pinheiro, “esse é com certeza um trabalho importante porque vai nos aproximar ainda mais do Ministério da Saúde, uma vez que eles poderão não só avaliar, mas conhecer melhor nossos serviços e a atuação de nossos profissionais. Acredito que só temos a ganhar com essa avaliação”, afirma. Tão logo seja finalizada essa primeira parte da avaliação, o MS adentrará a segunda fase do PNASS. Neste segundo momento, outros critérios serão levados em conta: estrutura, processos de trabalho, resultados relacionados ao risco e satisfação do usuário – através de um inquérito telefônico – em relação ao atendimento recebido. No Walfredo Gurgel, o inquérito telefônico será baseado em uma planilha de atendimentos que lista todos os pacientes assistidos pela unidade no período de 4 a 10 de maio deste ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *