Educação do RN tem projeto de intérpretes e instrutores de libras para 2015

lIBRAS

 

 

O lançamento do Projeto de Intérpretes e Instrutores de Libras nas escolas da rede pública em sua edição 2015 acontecerá dia 14 de julho, às 9h, no auditório Angélica Moura, da Secretaria de Educação e da Cultura, no Centro Administrativo do Governo do Estado, em Natal. O processo que trata da contratação de profissionais para o projeto de número 27740/2015, e formaliza convênio com a Associação de Surdos de Natal – Asnat. Pelo processo serão contratado 150 profissionais, entre instrutores e intérpretes de Libras, no intuito de atender os estudantes com surdez matriculados nas escolas estaduais no ano de 2015. O projeto de Intérpretes e Instrutores de Libras nas escolas da rede pública existe desde 2012 e tem o objetivo de proporcionar ao aluno surdo e ao professor de sala de aula comum, uma relação de ensino, aprendizagem eficaz e de qualidade.

Conheça os ganhadores do primeiro Festival de Quadrilhas Juninas do RN

Balão DouRADO

 

 

O Festival de Quadrilhas Juninas realizado pelo Governo do RN, por meio da Fundação José Augusto, terminou com muita emoção na madrugada desta quarta-feira (8). Balão Dourado e Arraiá Padre Pina, ambas de Natal, foram as vencedoras, pelas categorias estilizada e tradicional, respectivamente. No grupo das estilizadas, o segundo lugar foi para Coração Nordestino (São Gonçalo do Amarante) e o terceiro, para Arraiá do Cabaço (Natal). As tradicionais premiadas foram Junina Sertão (Barcelona) e Brilho Matuto (Natal), em segundo e terceiro lugares. O palco foi montado na Praça Sete de Setembro, próximo a Pinacoteca, e recebeu 18 quadrilhas – entre estilizadas e tradicionais – que concorreram aos prêmios de R$ 12 mil, R$ 8 mil e R$ 5 mil (com dedução de impostos). A seleção desses grupos juninos foi feita por meio de etapas regionais. Dançaram na capital potiguar de sexta (3) a terça-feira (7) as vencedoras dos festivais em Riachuelo, Touros, Assu, Pau dos Ferros e Mossoró, além das quatro melhores de cada categoria da região metropolitana de Natal. O Festival foi parte do São João Potiguar – Cultura & Tradição e foi o primeiro realizado pela FJA, tendo recebido o apoio do RN Sustentável e das Secretarias de Estado do Trabalho, da Habitação e da Assistência Social (Sethas), de Turismo (Setur/Emprotur) e de Agricultura, Pecuária e Pesca (Sape). A atividade envolveu ainda as Secretarias de Estado da Educação e da Cultura (Seec), do Planejamento e das Finanças (Seplan), da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed), da Saúde Pública (Sesap) e de Comunicação Social (Assecom), que se somam ao apoio do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) e da Gráfica Manimbu. Feira de artesanato do Proart, organizada pela Secretaria do Trabalho, da Habitação e da Assistência Social (Sethas), completou o evento com Museu Junino e Museu do Brinquedo, do Instituto Federal do Rio Grande do Norte, apresentando jogos e brincadeiras tradicionais, e exposição de comidas típicas, levada pela Rede de Agricultores Familiares. Além do Festival Estadual de Quadrilhas, o Governo do Estado apoiou 59 arraiás de rua e o São João na Casa, festejos nas Casas de Cultura Popular de todo o Rio Grande do Norte.

Renan Calheiros vira alvo de ação na Justiça, acusado de receber propina

renan

 

 

 

Destaque na Folha de São Paulo:

 

A Justiça Federal de Brasília abriu ação contra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), na qual ele é acusado de improbidade administrativa por receber propina da construtora Mendes Júnior para pagar despesas pessoais.

Agora, a defesa de Renan irá se manifestar sobre a ação e, depois, o caso segue para o Ministério Público.

A Procuradoria da República no Distrito Federal enviou à Justiça, no ano passado, uma ação de improbidade administrativa, afirmando que o peemedebista recebeu propina da construtora Mendes Júnior para pagar despesas que teve numa relação extraconjugal com Mônica Veloso, com quem Renan tem uma filha.

De acordo com os procuradores, Renan forjou documentos para justificar que tinha recursos para pagar as despesas com Mônica e sua filha. Ele também é acusado de ter enriquecido ilicitamente.

Na ação ainda é dito que Cláudio Gontijo, lobista da Mendes Júnior, fazia os pagamentos para o peemedebista e que a construtora foi beneficiada por emendas parlamentares apresentadas pelo Senador.

A ação remonta a um caso de 2007, que levou Renan à renúncia do cargo de presidente do Senado para salvar seu mandato de senador.

Se for condenado por improbidade, o presidente do Senado pode ter que ressarcir os cofres públicos e até perder o cargo público.

A assessoria de Renan disse que ele ainda não tomou conhecimento da decisão da Justiça de Brasília e que irá se manifestar no processo.

CASO CRIMINAL

O presidente do Senado também é investigado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) num inquérito que avalia a parte criminal do caso.

Pouco antes de ele voltar à presidência do Senado, o então procurador-geral da República Roberto Gurgel apresentou denúncia contra o senador. Ele acusou Renan pelos crimes de falsidade ideológica, uso de documento falso e peculato (desvio de dinheiro público).

Para justificar que tinha renda para fazer os pagamentos, Renan apresentou documentos e disse que tinha recebido uma parte com a venda de gado. O suposto comprador, porém, negou que tenha adquirido bois do senador.

Na denúncia, Gurgel disse que Renan não possuía recursos disponíveis para custear os pagamentos feitos a Mônica Veloso entre janeiro de 2004 e dezembro de 2006, e que inseriu “informações diversas das que deveriam ser escritas sobre seus ganhos com atividade rural, com o fim de alterar a verdade sobre fato juridicamente relevante, qual seja, sua capacidade financeira”.

O STF ainda não analisou a denúncia contra Renan. Quando o fizer, e caso a aceite, ele se transformará em réu. O caso está com o ministro Luiz Edson Fachin, que pediu manifestação do Ministério Público.

Jucurutu: Ação criminosa de vandalismo em capelinha revolta familiares

Familiares estão consternados com o ato de vandalismo contra a capelinha de Maciel que foi vítima de um acidente na entrada do BairroFreitas na cidade de Jucurutu;
Segundo Familiares, indivíduos apedrejaram a capelinha destruindo o que a família construiu com tantos sentimentos ao querido jovem que também teve sua imagem de porcelana atacada.

Muito abalada e tia do falecido, a professora Lucicleia Thomaz faz um desabafo numa rede social

image1 (1)

 

Maciel

 

Maciel 3

Maciel 2

Fica aqui nosso apoio a toda família, e pedimos que as pessoas tenham mais respeito e juízo e que eventos como este, não voltem a se repetir na nossa Jucurutu. Estamos vivendo um tempo que a maldade toma de conta, e o poder de Deus vem sendo desafiado constantemente, quer seja de forma mais neutra ou patente, e isso é assustador!

 

Investigação aponta delegado do Seridó mentor de esquema fraudulento

olavo_dantas1

 

Delegado Olavo Junior suspeito de fraude no IPERN

 

O esquema montado por o delegado de Polícia Civil Olavo Dantas dentro do Instituto da Previdência dos Servidores (IPERN),tinha por objetivo forjar uniões civis. As pessoas envolvidas no esquema fraudulento que ligava a recebimentos indevidos de pensões no IPERN, agiam falsificando escrituras declarando união estável.
Esta é a primeira etapa da operação ‘Prata da Morte’ realizada pela Delegacia Especializada de Investigação de Crimes Contra a Ordem Tributária (Deicot).

As outras quatro pessoas detidas após a investigação da Polícia Civil, segundo a própria polícia, também são suspeitas de envolvimento no esquema que recebia indevidamente pensão do Instituto de Previdência dos Servidores Estaduais do RN (Ipern). De acordo com as investigações, conduzidas pelos delegado Laerte Jardim e Aldo Ribeiro, os documentos foram fraudados para que familiares de um ex-auditor fiscal do estado pudessem receber a pensão. Além da pensão, os suspeitos teriam recebido R$240 mil que estava depositado na conta do auditor. O esquema já teria desviado cerca de R$ 600 mil. 

A investigação aponta a advogada que ainda não teve o nome revelado como responsável pela realização de um inventário administrativo no 5º Cartório do Alecrim e pelo levantamento do dinheiro que estava depositado na conta do falecido, através de um alvará judicial obtido de forma ilegal.
Ana Cláudia de Oliveira e seu esposo também detidos, são suspeitos de integrarem no esquema e agiram como testemunhas para que o filho do ex-auditor fiscal, José Laércio Ferreira de Melo pudessem receber a pensão.
Olavo Júnior já foi delegado de Caicó, delegado Regional atualmente era adjunto da 1ª Delegacia de Parnamirim.