Essencial: TJRN cria comissão para gerir Plano de Logística Sustentável

A presidência do TJRN deu mais um passo em direção à ampliação de políticas e práticas voltadas à responsabilidade social e ambiental, que devem ser desenvolvidas pelas unidades do Poder Judiciário em todo o pais, segundo a Resolução Nº 201, de 3 de março de 2015, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que dispõe sobre a criação e competências das unidades ou núcleos socioambientais, bem como sobre a implantação de um respectivo Plano de Logística Sustentável. Trata-se da Portaria 806, publicada no Diário da Justiça desta sexta-feira (22), a qual cria a Comissão Gestora do Plano de Logística Sustentável (PLS), a qual atuará conjuntamente com o Núcleo de Ações e Programas Socioambientais do Poder Judiciário do Estado do Rio Grande do Norte – NAPS, no planejamento, implementação, monitoramento de metas anuais e avaliação de indicadores de desempenho. A primeira reunião do grupo acontece na segunda-feira (25) às 8h30.
A Comissão, que será composta por juízes, secretários de vários setores e servidores, terá, dentre os objetivos, a meta de buscar o aperfeiçoamento contínuo da qualidade do gasto público; o uso sustentável de recursos naturais e bens públicos, a redução do impacto negativo das atividades do órgão no meio ambiente com a adequada gestão dos resíduos gerados e a promoção das contratações sustentáveis.
A Portaria também define que entre as metas deve estar a gestão sustentável de documentos, em conjunto com a unidade responsável; a sensibilização e capacitação do corpo funcional, força de trabalho auxiliar e de outras partes interessadas, bem como a qualidade de vida no ambiente de trabalho, em conjunto com a Secretaria de Administração e com o Departamento de Recursos Humanos.
Segundo o documento, a Comissão buscará parcerias com órgãos, empresas privadas e entidades afins no âmbito local, regional e nacional, por meio da proposição e elaboração de convênios, que contribuam para o desenvolvimento das ações ambientais no Judiciário potiguar.

 

Via: TJRN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *